Vagas esgotadas :-(
Te esperamos na próxima edição desta atividade
Início das aulas no dia 10 de março de 2021,
às 19h (Brasília, Buenos Aires) e às 17h (Cidade do México, Bogotá)
Duração do curso: 6 encontros quinzenais.

CR-6 ECOLOGIA POLÍTICA LATINO-AMERICANA

PROPOSTA

O curso tem o objetivo de reunir pessoas interessadas em conversar sobre alternativas ao desenvolvimento capitalista e a construção de redes de resistência. Todxs serão bem-vindxs independentemente de formação acadêmica ou organização política. Acreditamos que participantes que estejam organizados em coletivos, movimentos sociais urbanos e/ou rurais poderão contribuir imensamente com o diálogo em relação às formas de enfrentamento ao avanço neoliberal que têm adotado em suas lutas cotidianas. A intenção deste curso também é traçar coletivamente caminhos possíveis em direção a uma prática política emancipatória.

 

As últimas décadas têm sido desafiadoras no continente americano. Em alguns países da América a atuação dos governos progressistas ou de esquerda não foi capaz de superar ou, pelo menos, propor soluções de transição aos extrativismos. A situação colonial atrelada ao esquema de exportação de Natureza perdura e se intensifica. Houve o aumento da extração de matérias-primas (metais, petróleo, carvão soja, madeira, entre outros) bem como de projetos vinculados a geração de energia. Além disso, a guinada à direita em diversos países, seja por meios eleitorais ou por golpe, aprofunda a necessidade de diálogo e organização. Compreender esses processos políticos e sociais desde a perspectiva da ecologia política é o convite desse curso.

 

Os temas abordados e os textos sugeridos para leitura buscam apresentar um panorama bastante abrangente da Ecologia Política na América Latina. Cada encontro será conduzido com base na bibliografia indicada. O drive com toda a bibliografia será compartilhado com os participantes após finalizadas as inscrições.

 

Esperamos que este curso possa gerar conversas, espaços de conhecimento, encontros e articulação de resistências para a construção de um mundo onde caibam muitos mundos - como dizem os zapatistas.

 

Calendário de encontros e bibliografia de referência

 

10/3- Primeiro encontro

- Apresentação dxs participantes do curso;

- Apresentação da proposta do curso e ajustes entre xs participantes;

- Por que Ecologia Política?

 

24/03- Segundo encontro - Pensamento Crítico e Ecologia Política Latinoamericana

 

Bibliografia de referência:

 

1. ALIMONDA, Héctor. Ecología política latinoamericana y pensamiento crítico vanguardias arraigadas. Desenvolv. Meio Ambiente, v. 35, p. 161-168, dez. 2015.

2. TOLEDO, Victor M. La resistencia ecologica del campesinato mexicano . Revista Ecologia Política, nº1, 1991.

 

14/04- Terceiro encontro – Linguagens Sociais de Valoração.

 

Bibliografia de referência:

 

1. ALIER, Joan Martínez. Economía Ecológica, Ecología Política e Inconmensurabilidad. Módulo VIII del curso de Economía Ecológica. México. 1998.

2. ESCOBAR, Arturo. Sentipensar con la tierra : nuevas lecturas sobre desarrollo, territorio y diferencia. Medellín. Universidad Autónoma Latinoamericana UNAULA Editorial/Editor. 2014.

 

28/04- Quarto encontro - Horizontes e Desafios da Ecologia Política

 

Bibliografia de referência:

 

1. LEFF, Enrique. La ecología política en América Latina. Un campo en construcción. En publicación: Los tormentos de la materia. Aportes para una ecología política latinoamericana. Alimonda, Héctor. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires. Marzo 2006.

2. GUDYNAS, Eduardo. Se eres tan progresista ¿Porque destruye la naturaleza? Revista Ecuador Debate. Quito-Ecuador, Abril del 2010.

3. ANGEOLETTO, Fabio et al . Diversidad vegetal y seguridad alimentaria en quintas urbanas: estudio comparativo entre dos barrios de la ciudad de Maringá, Paraná, Brasil. Revista Ecología Política. nº41. 2014.

12/05- Quinto encontro - O que desejamos? Pautas ecopolíticas dxs participantes;

 

Bibliografia de referência:

 

1. Ecocidadania e Direito: Alguns aspectos da modernidade, sua decadência e transformação. Publicado na Revista Sequência 28, UFSC, Florianópolis, p.96. 1994.

2. Malestares Ecológicos Y Ecología Política - Publicado na Revista Sequência 32, UFSC, Florianópolis, p.15-23, 1996.

 

26/05 -Sexto encontro – Articulação de resistências e caminhos possíveis.

 

Bibliografia de referência:

 

1. TOLEDO, Victor M. Los civilizionarios. Pensar la modernidad desde a ecologia política.

Las comunalidades (capítulo 4. pág 89-107). Universidad Nacional Autonoma de México:

Juan Pablos Editor, 2019.

2. Comunicado EZLN. 07 de janeiro de 2020. Convocatoria a las jornadas en defensa del territorio y la madre tierra “samir somos todas y todos” disponível em: http://enlacezapatista.ezln.org.mx/2020/01/07/convocatoria-a-las-jornadas-en-defensa-del-ter

ritorio-y-la-madre-tierra-samir-somos-todas-y-todos/

 

Idioma no qual serão oferecidas as aulas: português

Idiomas de comunicação dx docente: português e espanhol

Karen
Silva

Vivo e trabalho na cidade de Canoas, região metropolitana de Porto Alegre/RS. Como Assessora Jurídica Popular atuei junto a comunidades em processos de despejo e remoção, como a Vila do Chocolatão, em Porto Alegre. Enquanto advogada, atuei em projetos de Justiça Comunitária nos bairros Guajuviras e Mathias Velho, na cidade de Canoas, e também no bairro Canudos, em Novo Hamburgo/RS. Atualmente, me dedico a conduzir práticas de Tantra Yoga e sou Multiplicadora do Teatro do Oprimido. Minha pesquisa de mestrado, na área de Direito e Sociedade, buscou compreender o formato das decisões judiciais que envolvem os desastres provocados pelo extrativismo mineral no Brasil. Desde então, minha área de interesse prioritária é a Ecologia Política.