logo fundo branco.png
Inscrições finalizadas

Início das aulas no dia 30 de agosto de 2022, às 20h (Brasília, Buenos Aires) e às 18h (Cidade do México, Bogotá)

Duração do curso: 6 encontros.

 
rect3807.png

CR-3.2 IMAGENS DE UM COTIDIANO. NARRATIVAS FOTOGRÁFICAS A PARTIR DO COTIDIANO (FOTOGRAFIA VERNACULAR). FOTOGRAFANDO COM O CELULAR.

PROPOSTA

O curso "Imagens de um cotidiano", pretende através do uso aprimorado da câmera do aparelho celular, construir um ensaio visual focado em uma narrativa do cotidiano dos participantes, dentro do conceito de fotografia vernacular. O ensaio será desenvolvido com base nos exercícios fotográficos que serão atribuídos pela professora a partir do 3º encontro. No final do curso, será montada uma exposição virtual, com abertura online, onde os participantes apresentarão seus trabalhos em uma conversa apresentada e mediada pela professora.

Calendário de encontros

 

  1. Fotografia com celular. O que é essencial conhecer e é comum a todos os aparelhos? (30/08/2022)

  2. Fotografando. O que olhar antes da tela e na tela (13/09/2022)

  3. Narrativas fotográficas / fotografia vernacular (27/09/2022)

  4. Montagem de narrativas / projeto fotográfico: seleção e tipos de tratamento de imagens (11/10/2022)

  5. Pós-produção: programas nativos e aplicativos especializados (25/10/2022)

  6. Montagem exposição virtual coletiva, com ensaio descritivo que será apresentado por cada participante na abertura da exposição em evento online, com apresentação da professora  (22/11/2022)

  7. Evento de abertura da exposição virtual (08/11/2022)

Materiais de referência

  1. Vivian Maier: la desconocida más famosa del mundo: https://oscarenfotos.com/2019/11/09/vivian-maier-la-desconocida-mas-famosa-del-mundo/

  2. La fotografía vernácula en la era del teléfono celular: https://oscarenfotos.com/2011/10/12/la-fotografia-vernacula-en-la-era-del-telefono-celular/

  3. ¿Eso es arte? La fotografía en arenas movedizas: https://oscarenfotos.com/2012/07/08/esto-es-arte-la-fotografia-en-arenas-movediza/

  4. 400 hitos en la historia de la fotografía: https://oscarenfotos.com/2018/12/01/400-hitos-en-la-historia-de-la-fotografia/

  5. Como é fotografar uma crise. Em entrevista a Gama, o fotojornalista Victor Moriyama fala sobre os cenários que retratou durante a pandemia: https://gamarevista.uol.com.br/formato/conversas/como-e-fotografar-uma-crise/

  6. Um corpo a vagar pelas esquinas. Fotógrafo e estudioso das cidades, Tuca Vieira lança dois livros sobre suas diferentes experiências com a paisagem urbana: https://gamarevista.uol.com.br/pessoas/entrevista-tuca-vieira/

  7. Como pensamos o outro pela imagem: https://sgvalladao.wixsite.com/arte/post/como-pensamos-o-outro-pela-imagem

  8. Pós-fotografia? Que nada: hiperfotografia: https://revistazum.com.br/ensaios/hiperfotografia/

  9. Ambiciosa exposição em Barcelona apresenta o universo em torno do fenômeno dos fotolivros: https://revistazum.com.br/exposicoes/fenomeno-fotolivro/

  10. Dança sélfica. Para o artista catalão JOAN FONTCUBERTA, as selfies são parte de uma mudança radical no uso que se faz da fotografia.: https://revistazum.com.br/revista-zum-11/danca-selfica/

  11. A materialidade da fotografia: resenha do livro-catálogo “Coleção Masp FCCB”: https://revistazum.com.br/livros/fccb-masp/

 

Idioma no qual serão oferecidas as aulas: português

Idiomas de comunicação geral: português e espanhol

20201014_113702-01.jpeg
Solange
Valladão

Baiana de Salvador, arquiteta e urbanista; doutoranda em arquitetura e urbanismo, na área de Gestão de Bens Patrimoniais. Pesquiso as mudanças ocorridas no século XXI, na relação entre os poderes públicos, financeiros e populares, que movimentam as disputas por patrimônio urbano no Centro Histórico de Salvador. Especialista em Artes Visuais - Cultura e criação e em Fotografia; desenhista, roqueira e aquariana. Me interesso por: feminismo contemporâneo; arte, fotografia, música e literatura enquanto produções independentes e coletivas; patrimônio cultural popular e iniciativas culturais, políticas, ambientais, tecnológicas e educativas, que sejam populares, críticas e insubmissas.